Uma pausa para o café…

A equipe do Retratos da Alma pede licença para um breve período de férias – uma pausa para o café…

Enquanto isso, vocês podem aproveitar para atualizar a leitura dos textos mais recentes publicados no blog, que estão à espera para serem degustados.

Voltaremos na primeira semana de agosto…

Fiquem à vontade! E… até breve!

Entrevista com Cláudia Costa: “Sou vidrada no talento dos meus parceiros de alma.”

Nesta quarta-feira, trazemos uma entrevista especial com a escritora Cláudia Costa!

Ela assina a coluna “À Flor da Pele” no Retratos da Alma, falando sobre suas intensidades e reflexões.

Define-se como: “(…) uma mulher que aos poucos está aprendendo a ser menina. Escritora de emoções por necessidade primária de existência, pedagoga empresarial por formação, gerente de projetos e professora eventual, por sobrevivência”.

Conheçam um pouco mais desta alma única que é Cláudia…

Como se deram os seus primeiros passos no universo da escrita? O que mais te incentivou a colocar palavras no papel?

Desde muito menina, sou apaixonada por livros. No começo, lá pelos 3, 4 anos, eram revistinhas em quadrinhos, mas a minha cobiça já era pelos livros de capa dura. Via minha mãe lendo e achava aquilo o máximo. Aprendi a ler sozinha, de tanto olhar palavras, aos 5 anos – e daí para colocar minhas emoções no papel foi um movimento natural.

Qual você considera que é o seu estilo literário? Isso foi mudando ao longo do tempo?

Quando adolescente, só escrevia poemas. Versos e mais versos, amores, desamores, fantasias. Hoje gosto de crônicas, textos sem uma formatação engessada. Escrevo pela necessidade e não consigo me obrigar a engessar palavras para que se amoldem a um só estilo. Gosto de vê-las dançarem como a emoção manda. Depois a razão oferece sua pitada crítica e ofereço meus pensamentos ao mundo.

Em termos de leitura, que autores hoje te inspiram e por quê?

Por obra da internet e seus textos de autoria muito duvidosa, dou um valor cada vez maior aos “novos autores”. Tenho raízes clássicas: meu primeiro livro foi ‘Alice no País das Maravilhas’, de Lewis Carroll; já adolescente, eu me apaixonei por Dostoiévski, Tolstói e pelos amores da bossa – Vinícius de Moraes, Drummond e Tom, entre outros. Hoje, minha alma conversa com Caio, Florbela, Zafón, Lígia e autores do dia a dia, ainda pouco conhecidos, como Thamar Araújo, Flávia Côrtes, Marisa Vieira, Manuel Herculano, Inge Lobato, Lunna Guedes e Tatiana Kielberman, entre outras preciosidades que garimpo pela vida.

Você pretende ter seus escritos reunidos em um livro? Se sim, em qual formato?

Vivo um dilema com essa questão. Por vezes, penso que sim e, em outros momentos, percebo que publicar livro se tornou “papel de pão”. Fazer isso apenas por ego ou vontade não me traz muito sentido. Acredito que, se em certo dia enxergar um público que deseje partilhar minhas emocionalidades, terei prazer real em publicar, seja no formato que vier.

Qual o seu lugar e horário prediletos para escrever? Por quê?

Gosto da madrugada pelo silêncio, mas – não raro – escrevo nos lugares e horas mais inusitados, por ser ali que a ideia me toma com força de maré cheia.

Qual a importância do Retratos da Alma para a sua vida e por que faz sentido estar aqui?

O Retratos da Alma foi o primeiro blog que me convidou para colaborar com meus escritos. Hoje, este espaço tem para mim um status de trabalho chique, daqueles que a gente se orgulha em fazer parte, sabe? Sou vidrada no talento dos meus parceiros de alma e fico pedindo aos céus que me permitam ser assim – de talento parecido com o deles – quando eu crescer.

Você acredita que a escrita permanece sendo importante na sociedade dos dias de hoje? Como preservar sua essência em meio a tantos recursos tecnológicos?

Penso que os recursos tecnológicos fazem parte da evolução natural da humanidade. Contudo, a escrita, seja no formato que for, é o concreto e a essência da comunicação, é primordial e só tende a se expandir. Não creio num mundo sem escrita. Os avanços tecnológicos apenas aumentam as possibilidades e a necessidade de se comunicar.

Deixe aqui o endereço de seus blogs/sites pessoais para que os leitores possam conhecer e acessar.

À Flor da Pele: http://aflorda-pele.blogspot.com.br

Pensamentos IN_VERSOS: http://pensamentosinversos.wordpress.com

Vida de Mil Fases: http://vidademilfases.wordpress.com

Elaboração e edição: Tatiana Kielberman

Feliz 2014! – Uma mensagem de todos os colunistas…

O novo ano se aproxima e, com ele, cada um de nós busca se transformar, encerrando alguns ciclos e dando início a outras inúmeras aventuras! A família Retratos da Alma preparou uma homenagem aos seus leitores e amigos, exprimindo detalhes do que foi 2013 e, também, muitos desejos para 2014!!

Passeiem conosco pelo universo pessoal de cada colunista…

Em 2013, abri trincheiras, encontrei lugares e reencontrei amigos nunca vistos. Ganhei experiência perdendo a noção do tempo, criando mais, guardando muito e me irritando menos. Entreguei o máximo, recebi o mínimo e, observando, decidi mudar, descartando parafusos gastos e apertando os que valem a pena, para continuar inteiro e sorrir mais. Foi o ano de olhar, calar e semear, tornando tudo surpreendente.

2013 foi ouvir, 2014 será falar.

Joakim Antonio

Em 2013, pude perceber que não é possível evitar os problemas, as tristezas, as decepções e desilusões. Mas pude perceber também que, em vez de lamentar pelos momentos ruins, podemos aprender com eles. E eu aprendi!

Aprendi que, para cada porta fechada, é possível vislumbrar uma janela aberta! E vi, bem claramente, o quanto é importante a presença dos amigos em nossa vida. Minha riqueza consiste nas pessoas especiais que tenho ao meu lado (mesmo morando distante!)… São esses meus anjos que fazem tudo valer a pena!

A palavra de 2014, para mim, é AMIZADE! E espero ficar cada vez mais junto dessas pessoas que me dão tanto carinho, que merecem todo o meu amor e que me fazem ser alguém melhor a cada dia!

Hélia Barbosa

2013 foi um ano em que tive oportunidade de me conhecer um pouco mais, reconhecer falhas e buscar os acertos. Nem sempre deu certo, mas a caminhada foi interessante.

Em 2014, quero alcançar objetivos simples e possíveis, aqueles de que eu preciso e pelos quais anseio. Quero ser e fazer gente feliz, estender aqueles momentos que não quero que terminem, iniciar um monte de coisas que desejo terminar.

Catia Netto

Em 2013, descobri um universo que não conhecia, um mundo onde pessoas sofrem perdas enormes e, ainda assim, mantêm um sorriso iluminado e a esperança nos olhos. Aprendi a agradecer diariamente pelo que tenho e a não reclamar… Sou rica de coisas que vão muito além do dinheiro!!

A palavra de 2014 para mim é MAIS… Mais coragem, mais agradecimentos, mais doação, mais fé, mais caridade, mais paz, mais persistência, mais amor, mais EU!!

Tatiana Melgaço

2013 me mostrou que muitas coisas ruins só acontecem porque a gente permite. Posso chamá-lo de ano-escola.

Foi um período de constante aprendizado, passando pelas mais intensas vibrações. Criei textos, canções, fiz amigos, ganhei espaço e ainda construí um lindo laço de amor.

A minha palavra para 2014 é PAZ. Alinhei uma porção de coisas para alcançá-la.

E, desde já, deixo o meu MUITO OBRIGADO à família Retratos, que me acolheu com tanto carinho. Espero que, neste próximo ano, possamos trocar muitos sentimentos bons por meio das letras, e repassá-los da maneira mais positiva a cada um que nos ler.

Tuka Borba

2013 foi um ano que trouxe mais mudanças à minha vida. Novas adaptações profissionais, pessoais.

E também me abençoou com amizade de pessoas preciosas. Foi um ano muito bom. Minha vida sempre tem fugas da rotina e este ano não foi diferente.

Logo, para 2014, muito mais virá… Com saúde e muito trabalho! Espero poder partilhar e estar com meus amigos também, mais e mais…

Um maravilhoso ano para vocês!

Ingrid Caldas

2013 foi um momento de pé no chão. Não de abandono do sonho, mas da consciência de que ele leva tempo e há muito o que se superar para chegar neste lugar na vida que finalmente poderei chamar de meu.

2014 será um ano de crescimento, de um próximo passo, de assumir racionalmente o que meu coração já decidiu há muito tempo. Ao contrário do que a maioria diz, eu anseio por este crescer, sei que este novo viver me trará tanta felicidade quanto já tive e talvez ainda mais. Sorrio só de imaginar.

Poeta da Colina

No ano bom vou emprestar os sonhos
para cada passo de novo.
É repetindo
que alguém leva mais um pouco
do que mudou pelo caminho.
Sem ter fim, para que o coração se demore,
simultâneo aos olhos
que não se acostumam de procurar a felicidade
aonde romperem.

No ano bom vou cuidar das mãos
para cultivo de abraços.
É alongando-se de galhos
que alguém aprende a árvore
de seu abundante coração.
Florescer no outro adiante
algum sorriso de frutos doces
e quem sabe até
cobrir o chão com sombra fresca
a florir
porque crescemos mais juntos.

No ano bom
que não termine ninguém apenas só,
mas que os dias repitam o incessante desta vida
cumprida de querer bem.
Todo dia e mais
um pouco um ano de novo bom
para quem puder valendo tudo
a viver profundo
e o sentimento maior de mais quem vier.

No ano bom
que escrevo o coração todo
sou mais um tanto que aceito seus olhos por promessa
a caminho do que escrevo crédulo
este desejo pleno: daqui nós vamos!

Leonardo Valesi Valente

Em 2013, descobri que posso me reinventar quantas vezes quiser – inclusive, inventar a idade que eu quiser ter. Consegui me desapegar de coisas – e pessoas – que não valem a pena. Redescobri o quão delicioso é realizar sonhos, não importando que outros os considerem ridículos. Conheci novos lugares no mundo. Encontrei novos lugares dentro de mim mesma. Encontrei e reencontrei pessoas. Reencontrei a mim. E, definitivamente, consegui fazer com que os dias tivessem mais de 24 horas.

Minha palavra para 2014 é… MUDANÇA. Tudo novo, de novo. Esse ano promete. Quando disse hoje para minha filha que eu queria fazê-la feliz em nossa nova vida, ela respondeu: “eu já sou feliz, mamãe”. Que isso, por favor, não mude.

Ana Barcellos

Se tem uma palavra que pode definir este ano, com certeza essa palavra é “café” – mas não pense que falo da mesa da Starbucks ou de seus copos brancos com sereias de duas caldas.

Tampouco do espaço bem planejado pelos decoradores – falo das pessoas que preparam os cafés e que, de repente, conhecem-nos pelo tipo de bebida que preferimos. O nosso nome é um pequeno detalhe anotado no copo e dito em voz alta para que todos ali nos saibam enquanto pessoas por trás de consoantes e vogais…

Enfim, eu falo mesmo é dos estranhos que fazem das mesas de um café o seu local de trabalho, e falo também dos amigos que passam pela porta com os braços prontos para um abraço. Falo dos diálogos. Surpresas. Silêncios. Instantes de solidão. Milhares de palavras. Alguns bons textos e, claro, inúmeros goles de café…

Por tudo isso, é que eu desejo que você (e eu – obviamente), em 2014, ganhemos a oportunidade de ter em mãos uma bela xícara (ou copo) de café…

Se tudo isso que eu disse acima não se repetir, pelo menos ainda teremos a lembrança, porque pra ser passado é preciso que o dia seguinte aconteça…

Lunna Guedes

Em 2013, o que mais me marcou foi viver um dia de cada vez, com as incertezas e obstáculos que assustam, mas também estimulam. As barreiras me fizeram andar para frente, na busca de superar e vencer uma a uma, mesmo que por vezes tenha caído e me arranhado, mas nunca sem vontade de seguir e persistir na vida e pela vida.

Em 2014, espero continuar na busca da conquista de viver um dia após o outro, com o pensamento de que não terei tudo, mas nunca desistirei de tudo conseguir.

Bia Tannuri

O ano de 2013 significa amadurecimento, foco nos ideais e saudade de escrever…

Desejo (muito) que em 2014 eu volte a ter poesia e ficar muito mais próxima de todos que eu amo.

Rosamaria Roma

Amo o Oceano. É possível que esse amor tenha alguma relação ao fato de que, diante do Oceano, eu pareça tão pequena e ele, mesmo não sendo, tão infinito. Infinito tem relação com liberdade, uma de minhas palavras preferidas.

Mas, o que teria Oceano a ver com 2013?

2013 foi uma banheira. Estive contida, mesmo que mergulhada na água, num pequeno refúgio, transitório e confuso. Depois, como por necessidade de sobrevivência, fui transformando, pouco a pouco, a bacia em uma banheira. Assim, 2013 foi minha banheira.

Tive momento de relaxamento, entre sais e óleos. Outros tensos, com água fria ou quente demais. Escondi-me sob as águas, tentando aceitar algumas imposições temporárias. Revivei-me em desespero, quando as imposições eram absolutamente inaceitáveis. Derramei muita água.

2013 termina, e eu ainda estou na mesma banheira. Olho pela borda e avisto 2014, logo ali. Tenho planos imensos, profundos planejamentos de uma alma criativa. Quero tudo que 2013 me negou, quero o rio e o mar, o Oceano só para mim. Quero navegar sem destino, sem amarras, sem porto a atracar.

Quero a liberdade que ansiei a vida toda, a busca de mim em mim, enfim, quero amigos ao lado, amores na porta e, acima de tudo, esse vento nada suave que sempre guiou minha vida. Eu quero, eu faço e sempre consigo. 2014 será mais um de meus êxitos teimosos. Mais um de meus sonhos persistentes. Mais um ano em que a vida supera a morte, o medo e a rotina. 2014… e eu….

Heleny Galati

Em 2013, eu aprendi que o valor que você dá às pessoas nem sempre é retribuido da mesma maneira, mas isso também não quer dizer que você seja menos valorizado.

Aprendi que a felicidade está dentro de nós mesmos, e colocar expectativas em outras pessoas, por mais que as amemos, é um dos maiores erros do ser humano.

A palavra de 2014 para mim é ESPERANÇA. Esperança de dias melhores, de coisas melhores, de pessoas melhores. Esperança de mudanças significativas.

Ter esperança, mesmo que tudo esteja ao contrário, nunca deixar de acreditar que depois da tempestade sempre vem a calmaria e que, para as pessoas boas, sempre acontecerão coisas boas.

Roberta Alves

Este ano foi um período de CONSOLIDAÇÃO para mim. Consolidação de valores, amigos, mudanças, posturas e desejos.

Para 2014, quero fazer muito mais. Quero provar que posso manter o que conquistei e alçar voos ainda maiores, sempre na certeza de que estou sendo fiel à minha alma!

Aproveito para agradecer a todos por fazerem do Retratos da Alma o que ele É: esta linda família envolta em afeto e amizade!

Que tenhamos uma feliz renovação, queridos!

Tatiana Kielberman

Desejamos, de coração, que cada um de vocês continue conosco nesta linda jornada, espalhando amor em meio ao universo das palavras e dos sentimentos. Obrigada por tudo e… nos vemos no ano que vem, a partir do dia 10 de fevereiro!

ATÉ 2014!